Pular para o conteúdo principal

QUEIJO ROQUEFORT E SUAS COMBINAÇÕES




Estive neste mês em viagem ao Sul da França, local de muitas montanhas de pedras, rios,  muito verde e flores que  encantam qualquer  turista.

Não por acaso, o primeiro local visitado foi a cidade de Roquefort-sur-Soulzon,  que está localizada no CausseduLarzac.  Trata-se de uma cidade pequena, basicamente uma rua, com alguns fabricantes com grandes caves de queijo que levam o mesmo nome da cidade. Isso mesmo, o Roquefort.

O Roquefort é o blue cheese mais conhecido do mundo. No entanto, para levar esse nome, é necessário que a maturação do queijo seja feita da forma tradicional, nas cavernas de Cobalou, onde fica a pequena cidade.

 O leite cru da ovelha, utilizado para a fabricação deste queijo, é o grande responsável por sua cremosidade. Após o fabrico da massa, o queijo passa por um processo denominado “piquage”, que consiste em precisar o armazenamento da massa, controlar a temperatura e perfurar o queijo para enfim adicionar o fungo.

O leite de ovelha não-pasteurizado recebe um bolor azul, que posteriormente é transformado em queijo e envelhecido nas cavernas úmidas da cidade.  Essas cavernas têm 95% de umidade relativa, com temperatura em torno de 10°, ao abrigo da luz e um sistema de ventilação natural através das falhas entre pedras: as "fleurines".

Esta variedade de queijo possui massa de consistência cremosa, casca úmida e sabor acentuado e picante. Na fabricação do queijo Rockefort, assim como na fabricação das variedades Gorgonzola e Camembert, são injetados fungos do tipo Penicillium na massa, que passa em seguida por um processo de maturação de três meses, no mínimo. Os fungos são os responsáveis por desenvolver no Roquefort as manchas verde-azuladas de aparência característica. Os fungos são também responsáveis pelo sabor inigualável.

 Ao contrário do que muitos possam pensar, de acordo com um estudo publicado no site da U.S. Environmental ProtectionAgency (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos), o uso do fungo PenicilliumRoqueforti na fabricação do Queijo Roquefort é seguro e historicamente nunca apresentou efeitos relevantes nocivos à saúde.



É importante salientar que só pode ser denominado “Roquefort” o queijo produzido nesta região. Existe um controle severo da patente. Em 1411, a Carta de Carlos VI já conferia aos habitantes de Roquefort o monopólio da maturação e fez de suas cavernas lugares protegidos por lei. Há muitos séculos o homem tentava copiar as características do famoso queijo. Em 1666 houve o Pronunciamento de Toulouse para castigar os comerciantes de "falsificações" de roquefort. Mas, foi só em 1996 que o queijo é reconhecido como A.O.P. (Denominação de Origem Protegida).

Não só lá, como em outras pequenas cidades, encontramos uma grande variedade de alimentos artesanais fabricados com queijo Roquefort, como salame, quiches, pães, patês, cremes para recheios etc.

Gostaria ainda de comentar que nessa região não encontrei nenhum turista brasileiro. Acredito que prefiram as luzes de Paris! Quero registrar minha recomendação como viagem de férias e também para os amantes da boa gastronomia. Sugiro, porém, alugar um carro, a estrada está bem sinalizada e você poderá visitar várias cidades da região.

Receitas tradicionais da região com Roquefort

1 - PÃO E QUEIJO

Para fazê-lo, basta abrir um pão no meio, adicionar uma fina camada de manteiga e fatias do queijo. A manteiga tem a função de suavizar o gosto, além de dar um toque a mais ao sanduíche. Entretanto, ele pode ser feito apenas com pão e queijo. O pão pode ser francês, ciabatta,baguete, italiano ou qualquer um de sua preferência.

2-  FETTUCINE COM NOZES E ROQUEFORT

Prepare a massa ( melhor grano duro) da forma tradicional, cozinhando-a em água e sal até que fique ‘al dente’ (firme) e escorra. Em seguida, adicione em uma frigideira manteiga e cebola. Deixe 2 minutos, aproximadamente, adicione o queijo roquefort e um outro de sua preferência, mais suave. Em fogo baixo, aguarde que eles derretam. Adicione o leite quente e a farinha de trigo, já diluída e tempere com noz moscada. Misture tudo e cozinhe até que o creme mude a consistência. Reserve. Adicione esse molho por cima do fettucine, salpique nozes e salsa para decorar e sirva.

O fettucine pode ser substituído por outra massa de sua preferência, como espaguete, penne, parafuso etc.

Dica - Para 500 ml de leite, 2 colheres (sopa) de manteiga e 2 colheres (sopa) de farinha de trigo, 100g de Roquefort e 100g de requeijão, cebola, sal e noz moscada a vontade.


O queijo roquefort também pode ser usado para o preparo de molhos para ser servido com carnes, saladas e aperitivos. Diluído com creme de leite são os melhores, porém os mais calóricos também! Ulá lá!!!

Um abraço,

Ana Tomazoni





Fontes:
Encartes locais
http://en.wikipedia.org/wiki/Roquefort
http://oquedoqueijo.com/2013/03/27/roquefort-is-beautiful/

http://www.petitgastro.com.br/queijos-tradicionais-roquefort-x-gorgonzola-camembert-x-brie/




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JAMELÃO / JAMBOLÃO

Fui visitar uma amiga Nair Cisotto Garcia e ela me presenteou com frutas muita saborosas mas, desconhecida por mim.

Acolhido pela curiosidade, corri para pesquisar e já fazer um doce ou outro uso,veja o que a enciclopédia me mostrou, quero dividir com vocês essa experiência.

Lembrei da pesquisadora e redadora de uma coluna do jornal O Estado de São Paulo, O Paladar, muito querida Neide Rigo, tem um blog muito especial "Come-se". Vale a pena uma visita. Nesse blog ela fala de frutas, verduras ervas etc como pesquisa e prepara receitas.

Uma frutinha que lembra azeitona, talvez jabuticaba, com um caroço grande, , mas, o sabor é azedinho e muito saboroso, perante isso tudo fui logo pesquisar alguns site e já encontrei noticias, artigos etc.
Confira:Jamelão 
O Commons possui multimídias sobre Jamelão
O jamelão, jambolão, jalão[1], joão-bolão, manjelão, azeitona-preta, baga-de-freira, brinco-de-viúva ou guapê (Syzygium cumini, ex-Eugenia jambolana Lam. ou Syzygium jambolanum DC.) é …

DIA NACIONAL DA MANDIOCA HARMONIZADO COM O CAMBUCI E SLOW FOOD

DIA NACIONAL DA MANDIOCAHARMONIZADO COM O CAMBUCI E SLOW FOOD

O Convívio Slow Food Grande ABC SP e a escola Sabor e Saber Gastronomia tem um trabalho de educação alimentar a muitos anos com seus alunos e publico frequentador de eventos, feiras e congressos acadêmicos com estudos e praticas com a mandioca e o fruto nativo no Brasil o Cambuci.

Prefeito Paulo Serra do município de Santo André

O FESTIVAL DO CAMBUCI EM PARANAPIACABA
O Festival do Cambuci de Santo André é um evento realizado pela Prefeitura de Santo André junto à Secretaria de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo, Secretaria de Gestão dos Recursos Naturais de Paranapiacaba e Parque Andreense, Empreendedores / Moradores de Paranapiacaba e diversos restaurantes no centro da cidade.
Este evento tem um papel importante no desenvolvimento do turismo da Vila de Paranapiacaba, reforçando a identidade cultural deste importante fruto nativo da Mata Atlântica e incentivando o desenvolvimento sustentável do local.
O fruto cambuci, pertence à…

OFICINA GASTROETEC: Gastronomia Brasileira e a Importância do Ato de Cozinhar

Oficina GASTROETEC Santa Ifigênia - SP com a Chef e Educadora Ana Tomazoni.